Social
Comerciantes de pescado pedem mais apoios à exportação

Comerciantes de pescado pedem mais apoios à exportação

As preocupações foram levadas esta manhã ao Secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar.

Os comerciantes exigem que seja encontrada uma solução para o problema dos transportes, um setor onde dizem não existe qualquer estratégia. 

Oiça mais AQUI, AQUI e AQUI

Fonte: Antena1 Açores

5 Comentários neste artigo

  1. blank
    DESCONTENTE

    UMA PERGUNTA PARA QUEM ME SOBER RESPONDER? Porque razao a lota da HORTA nao fonciona ao Sabado .Porque em todas as ilhas funciona ,sera que os foncionarios por trabalha-rem 3 horas por dia so da parte da manha ficam muito canssados, ou nao ha ninguem que mande ca nestes pobres coitados.

    Responder
  2. blank
    Pescador Procupado

    mais apoios? mas nos pescadores já não apoiamos o suficiente enquanto vendemos o goraz a 8 euros e eles vendem a 14? o cherne a 5 e eles a 12? isto não se chama apoio? então que lhe chamem o que quiserem pois nos somos sempre os mais prejudicados e os que mais trabalham…. e se nos fizermos queixa a alguma autoridade ainda deixam de nos comprar o peixe tenham mas e vergonha…

    Responder
    • blank
      À mais vida para além da pesca?

      Senhor pescador, “Pescador Preocupado” comungo das suas preocupações, mas das palavras aos atos vai uma grande diferença. Escusado será dizer, lhe sugira mudar de profissão, “se realmente é pescador”. Mas dizer-lhe também que na minha opinião necessitamos dos compradores assim como o contrario, será inevitável e poder-se-á dizer que deve existir una saudável coabitação entre oferta e procura. Se ela corre como nós desejamos, por vezes vai uma grande diferença “distancia”.
      Mas Senhor Pescador preocupado “vamos que o senhor se preocupa com estas coisas” então vamos analisar o seguinte, (se o senhor fosse comprador de pescado) e compra uma boca negra ou outro peixe qualquer grade ou pequena não interessa o tamanho neste caso “será uma simulação”, mas o conteúdo é que conta, se comprar uma boca negra (como dizia) imagine a um euro por quilo (fazendo uma simulação como já referi) imaginemos que faz exportação, terá que colocar o pescado em Portugal Continental o senhor terá os seguintes acréscimos “caixa, plástico, fita, gelo, mão de obra e transporte” estes itens chegam aos caricatos 3,35/3,50 euro por quilo então o senhor para não ganhar mas não perder dinheiro terá que vender o pescado que comprou a 1,00 euro aos 4,35/4,50, mas se estiver um vendedor que por sua vez irá revender ao vendedor final acresce 50% dará um valor de 2,17 euros 25% para cada um, à partida estaremos a falar de um valor de 6,52 euros por quilo por assim ser um peixe que custa 1,00 euro por quilo ao pescador aqui nos Açores irá ficar ao consumidor por 6,52 euros e é aqui que reside o grande problema perceber e entender estes números, mas digo mais, o tal peixe que custa 1,00 euro ao pescador à partida em circunstancias iguais se for comprado numa lota do Continente o pescador da Região estará logo em desvantagem em 3,35 euros por quilo por assim ser logo à partida as pessoas não irão comprar o mesmo tipo de peixe mais caro e por vezes com mais dias só porque é dos Açores, vão comprar o que é mais barato é uma questão lógica de mercado de dinheiro e não podemos ficar chateados por adquirir o mais barato nós nas nossas vidas fazemos o mesmo comprar o mais barato possível . Para além destes custos de que vos tenho vindo a dar conta existem mais algumas variantes que devemos nos debruçar sobre elas, são os costos indiretos sobre o produto, são o risco do negocio e que são: enviar o pescado e não receber, depois o risco de a data para o pagamento da mercadoria nunca se cumprir com os prazos estabelecidos mais um custo, tendo o exportador se quiser comprar mais pescado ver-se obrigado a ir ao banco se financiar pagando juros que não os vai receber do seu cliente, a juntar a este o fator nº. 1 que se baseia na qualidade, quer isto dizer que, os mercados já estão a exigir aos exportadores cartas com garantia financeira para que se o pescado não chegar nos prazos ou não estiver a qualidade exigida ou contratualizada estes rejeitam-no acionando a garantia que por sua vez é mais um custo, (todos nós sabemos da qualidade do pescado dos Açores, mas também existem outros mercados com a mesma qualidade do que a nossa, mas nos Açores ainda à pescadores que tratam muito mal o pescado põem o pescado mais fraco por baixo, mais miúdo etc., pensando sempre que depois de o terem vendido o problema já não é deles, Isto é uma realidade atual um pensamento e uma atitude tascanha).
      Então o que está mal aqui?
      Na minha perspetival é a falta de uma linha de transporte aéreo que transporte as mercadorias para os Açores e dos Açores a preços competitivos e ai estes diferencias deixam de existir, mas ainda sobre este tema julgo que os Armadores Mestres e Tripulantes têm muita responsabilidade neste processo e porquê: porque poderiam se associar uns aos outros e com as facilidades de contratos de venda diretos estes poderiam adquirir o seu próprio produto (pescado) e transporta-lo para o exterior, com a possibilidade de ser em contentor onde o valor do transporte baixa significativamente para os 0,35 euros por quilo, com a vantagem de não utilizarem mais nenhum intermediário no circuito e as margens que os atuais compradores auferem ficariam nas suas posses, julgo que de vez, de estarem sempre a criticar os outros deveriam apostar nesta possibilidade, esta não funcionaria apenas com uma ou duas embarcações, ou então outra solução seria as Associações serem vendedoras do pescado dos seus Associados e ou de outros aos atuais compradores, estes teriam que adquirir o pescado de outra forma aos seus representantes, mas não se esqueçam de uma coisa quem põe o preço no peixe são os mercados e a isto chama-se a lei da oferta e da procura. Estas soluções aqui apresentadas poderão dizer-me que não funciona, que não é fácil que dá trabalho etc. nada na vida é fácil. Então porque não funciona, pois não funcionará, porque dá trabalho. Por a maioria destes não querem trabalho, é mais fácil de uma forma inconsciente apreciarmos mais o que é dos outros mas, pensarem que é mais fácil ficar com o lucro dos intermediários sem terem qualquer responsabilidade e julgando que estes não têm trabalho nenhum e nem riscos nestas operações, “são só facilidades”. Este comentário não deverá ser visto de uma forma destrutiva mas sim no oposto CONSTRUTIVO.
      Isto não será pedir mais ajudas, mas sim solicitar ferramentas para que todos nós possamos trabalhar melhor e redistribuir mais quantitativamente os valores atrás referidos.
      Foi só um simples contributo.
      Boas pescarias mas acima de tudo boas vendas, porque a primeira sem a segunda não vale nada.

      Responder
      • blank
        Pescador Procupado

        Gostei do seu comentário e faz todo o sentido,m,as eu nao me estava a referir ao peixe que se exporta pois este eu sei que custa e muito a enviar para fora, de qualquer maneira obrigado pela sua opiniao estou muito agradecido e tambem lhe digo que nao vou deixar de andar ao mar pois esta e a minha vida e se os compradores não compram mais caro o peixe e porque não podem pois sei que o lado deles também não anda muito fácil

        Responder
      • blank

        Pois é… há cores para além das do arco-íris…o que muitas pessoas não as vêm ou não sabem que existem… não são fáceis as vendas por isso tem que haver qualidade no pescado para que este seja mais bem pago é muito importante isso, tanto para o pescador como para o comprador bem hajam

        Responder

Deixe um Comentário