Social
Federação das Pescas dos Açores estranhou silêncio de Portugal quando ICCAT baixou quota do Patudo

Federação das Pescas dos Açores estranhou silêncio de Portugal quando ICCAT baixou quota do Patudo

A Federação das Pescas dos Açores considerou que a Comissão Europeia e o ICCAT – Instituto de Conservação do Atum no Atlântico demonstram “desconhecimento e um total insensibilidade à realidade da nossa pesca” ao reduzir a quota da pesca do atum patudo de 70 mil para 65 mil toneladas.

A Federação das Pescas, que é presidida Gualberto Rita, “estranha a passividade com que os nossos representantes da Republica se comportaram durante toda a negociação”.

“O corte é de 25%, igual à de outros países altamente predadores e pouco selectivos. Não temos dúvidas que esta redução terá um impacto negativo na Região. Tudo faremos, junto das instâncias competentes, para inverter esta situação”, afirma Gualberto Rita em comunicado.

A Federação das Pescas vai propor ao Governo da República que considere “atribuir quota de atum Rabilho às embarcações de salto-e-vara das regiões autónomas, e que esta possa ser utilizada como pesca dirigida e não apenas para pesca acessória, conforme actualmente estabelecido”.

A Federação das Pescas dos Açores “tem consciência que este recurso, outrora considerado infinito, apresenta evidências de sobre-exploração, e defende medidas para a sua conservação”.

Defende ainda que esta pescaria de atum, nos Açores, “pelas suas características artesanais, representa o futuro modelo para as pescarias mundiais. Isto se queremos proteger a espécie, respeitar o ecossistema marinho e evitar uma anunciada extinção comercial”.

A Federação da Pescas realça que a extinção comercial do atum patudo “seria preocupante para a coesão de uma fileira que anualmente gera um volume de negócios que ascende a mais de 60 milhões de euros anuais, gerando um valor acrescentado bruto de uma dezena de milhão de euros, e é responsável pelo emprego de mais de 1000 trabalhadores em todo o arquipélago”. No entender da Federação das Pescas, o atum “ilustra, ao mesmo tempo, a natureza e a cultura dos Açores. É um dos mais fascinantes peixes presentes no nosso mar e faz parte da história e gastronomia do arquipélago”. O Atum “é um grande migrador, no seu percurso passa por vários países, e faz dos nossos mares um local de passagem e ‘abastecimento’”.

Esclarece ainda a Federação que, nos Açores, pelos bandos de cagarros se detectam os cardumes de atum e, a “força de braços”, pesca-se peixe-a-peixe, com artes de linha e anzol (“salto-e-vara”). “Somos altamente selectivos na pesca que praticamos, somos monitorizados por observadores e investigadores, temos certificados que garantem a sustentabilidade da pescaria e, por isso, estranhamos o desfecho do recente encontro da ICCAT, em Malta, onde se discutiu o Total Admissível de Captura (TAC) para o Patudo”, concluiu.

Fonte: Correio dos Açores

Deixe um Comentário