Social
Militar que afundou navio da Greenpeace pede desculpas passados 30 anos

Militar que afundou navio da Greenpeace pede desculpas passados 30 anos

rainbow warrior

Numa entrevista ao site francês “Mediapart”, o militar dos serviços secretos franceses Jean-Luc Kister, que há trinta anos esteve à frente do ataque ao navio “Rainbow Warrior”, pediu desculpas em público pelo seu ato.

i em 1985: o Rainbow Warrior deveria navegar em direção a Mururoa, na Polinésia Francesa, onde a organização ambientalista Greenpeace queria protestar contra os testes nucleares de França. Para o impedir Jean-Luc Kister plantou vários explosivos que afundaram a embarcação, no porto de Auckland. Passado 30 anos, o coronel mostra-se arrependido, num artigo ao site francês “Mediapart”, no qual fala pela primeira vez em público sobre o sucedido. O naufrágio do Rainbow Warrior resultou na morte do fotógrafo português Fernando Pereira.

Neste pedido de desculpas público, o militar qualifica o ataque como “desproporcional e desleal”. Ainda por cima, reconhece, foi “levado a cabo num país aliado, amistoso e pacífico”, a Nova Zelândia.

 

“Uma morte acidental” de um fotógrafo português

O ex-agente explica no artigo publicado pelo Mediapart que a intenção nunca foi assassinar ninguém e que a morte de Fernando Pereira resultou de um erro. Apesar disso Kister enviou sinceras desculpas aos familiares do fotógrafo, “em particular à sua filha”, pela “morte acidental” que foi vista por muitos como um “assassínio”. Pediu também desculpas “aos membros da Greenpeace” que estavam no interior do navio e à Nova Zelândia. “Não podem ser esquecidos, eram uma nação aliada e amigável na qual nós conduzimos uma operação clandestina inapropriada”, escreve.

A Greenpeace já reagiu ao pedido de desculpas de Kister afirmando que este “não vai trazer o Fernando de volta, mas prova que o nosso colega e amigo foi sacrificado em nome do interesse de um Estado, interesses esses que até um agente põe em questão”.

Fonte: Expresso

Deixe um Comentário