Social
Açores vai testar projecto que possibilita acesso à Internet em alto mar

Açores vai testar projecto que possibilita acesso à Internet em alto mar

Bluecom_demonstrator-660x330

O secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia açoriano revelou quinta-feira, 18 de Agosto, no Porto, que está prevista para Outubro a realização, nos Açores, de uma demonstração de um projecto que pretende tornar possível o acesso à Internet em zonas remotas do oceano, a mais de 100 quilómetros da costa, em banda larga e com baixo custo, utilizando tecnologias de acesso normalizadas, como o Wi-Fi e o 4G, para suporte à economia azul.

Fausto Brito e Abreu salientou que este projecto pioneiro, denominado BLUECOM+, “pretende facilitar a exploração de recursos minerais no fundo oceânico, a monitorização ambiental ou actividades mais tradicionais, como a pesca, a investigação científica, a náutica de recreio ou o transporte marítimo”, acrescentando que estas actividades “exigem cada vez mais o acesso a comunicações no mar, de modo a ligar pessoas e sistemas à Internet”.

O secretário Regional falava à margem de uma visita ao Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), entidade que está a desenvolver o BLUECOM+ em parceria com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a empresa norueguesa MARLO AS.

 

Balões de hélio ancorados

Este projecto consiste na utilização de balões de hélio ancorados, por exemplo, em bóias, embarcações ou parques eólicos, que formam uma rede voadora emalhada de banda larga a operar nas bandas de frequência libertadas pela televisão analógica, de modo a garantir ligações rádio de longo alcance.

“Os Açores são um cenário ideal para testar esta tecnologia”, afirmou Brito e Abreu, salientando “o carácter inovador deste projecto, que representa uma alternativa às comunicações via satélite, que são hoje a única solução disponível para várias aplicações tecnológicas”.

A operação do BLUECOM+ nos Açores deverá decorrer entre 2 e 8 de Outubro, no Grupo Central, e terá como como entidades parceiras as direcções regionais das Pescas e dos Assuntos do Mar, assim como o Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores.

Fonte: Agricultura e Mar Actual

Deixe um Comentário