Social
Cidadão americano desaparecido no mar e embarcação encontrados no canal de S. Jorge

Cidadão americano desaparecido no mar e embarcação encontrados no canal de S. Jorge

O corpo do cidadão americano que desapareceu a 30 de setembro ao largo da ilha Terceira (Açores) e a embarcação onde seguia foram hoje encontrados no Canal de São Jorge, adiantou o capitão do porto da Praia da Vitória.

Segundo Diogo Vieira Branco, o corpo do homem de 74 anos estava dentro da embarcação de recreio, localizada junto à Urzelina, na ilha de São Jorge (no Grupo Central, tal como a Terceira), por um pescador que entrou em contacto com a Polícia Marítima.

A autoridade marítima desta ilha identificou o homem e o barco, que rebocou para as Velas, e foi também chamado o delegado de saúde local.

Diogo Vieira Branco referiu que tanto o corpo como a embarcação foram entregues ao Ministério Público.

As buscas para encontrar a embarcação ‘Dolphin’, registada na Praia da Vitória e desaparecida com o único tripulante a bordo a 30 de setembro, tinha já sido suspensas, após os resultados das operações, que incluíram meios aéreos, terem sido infrutíferos.

O tripulante tinha saído para a pesca lúdica, mas deixou de responder a qualquer comunicação a meio da tarde daquele dia. O barco fora localizado pela última vez a cerca de uma milha a leste da Praia da Vitória.

As buscas envolveram a Polícia Marítima, o Instituto de Socorro a Náufragos, a Corveta NRP Baptista de Andrade (que cobriram uma área com cerca de 35 milhas entre as Terceira e São Miguel, ilha do Grupo Oriental) e a Força Aérea, que percorreu uma faixa com cerca de 60 milhas de lado também entre a Terceira e São Miguel.

Fonte: Açoriano Oriental 

5 Comentários neste artigo

  1. blank
    MACIEIRA

    Pois está sim senhor, ninguém o disse o contrário…não percebo onde é que identificou no meu texto a des-concordância com o Srº. PEREIRA, mas também conheço a realidade e não me venham dizer que as mortes só ocorrem pelo pouco tempo/capacidade das buscas…é tudo uma questão de capacidades em saber onde se encontra/encontrava a embarcação tal como todos os seus tripulantes, de certeza que se tivesse a pescar no Condor era logo salvo, até mesmo antes de o precisar de o ser,resta saber se era evacuado para o hospital ou para a prisão,eheheh…

    Responder
  2. blank
    Pescador preocupado

    Na minha opiniao um homen que esteja no mar e que tenha o azar de algo correr mal e que tenha de ser socorrido o melhor a fazer e pedir a nosso sr que o leve depressa para nao ter que penar muito,

    Responder
  3. blank
    AÇORIANO

    Ó Sr. Macieira um familiar meu também e com breves explicações com uma embarcação de recreio desapareceu e segundo os famosos estudos do intituto hidrográfica da marinha com os seus calculos não descubriram nada mas graças á força aérea da Ba4 e depois de cedo de mais de ter fechado as buscas foi fotografado muitos objectos da embarcação e muito fora dos tais calculos da marinha á falta de pessoal no terreno que conheça o mar e a suas correntes e direções o Sr. Pereira está a falar muito bem

    Responder
  4. blank
    MACIEIRA

    Mais uma vez comprova-se que os meios existentes atualmente nas embarcações não são suficientes para assegurar as condições de segurança nesta profissão de risco, apesar dos avanços na tecnologia serem imensos e o preço de material electrónico cada vez menor…a verdade também é que ainda há muita irresponsabilidade de muitos que vão ao mar, não sabendo o perigo que uma embarcação desleixada acarreta no meio do oceano e aqueles que até o são…são uma índole demasiado egocentrista/surdos/convencidos/ para sentarem-se TODOS numa mesa a debaterem ideias, implementar conclusões e unirem-se para que o progresso aconteça. Acho que a implementação de segurança na profissão,tal como a fiscalização, é algo de direito e que o estado português deveria zelar a todos os profissionais que trabalham na sua ZEE. Mais uma vez o estado a ser o primeiro a dar o mau exemplo, patrocinando a instalação de caixas monicap que já se encontram limitadas a nascença e nos dias que correm ineficazes e desactualizadas. EM HOMENAGEM AO SENHOR PEREIRA, E AOS SEUS OPORTUNOS COMENTÁRIOS, INTERPELO TAMBÉM COMO ÁRVORE DE FRUTO,VENHA A NÓS A SUA ESSÊNCIA SRº. PEREIRA.

    Responder
  5. blank

    BEM, ISTO VEM LEVANTAR UMA QUESTÃO, OU DIVERSAS QUESTÕES…AS BUSCAS NÃO FORAM INTERROMPIDAS CEDO DEMAIS??FORAM AS BUSCAS IDEAIS?? ISTO NÃO QUER DIZER QUE SE PUDESSE SALVAR O HOMEM, PORQUE ESTE DEVE TER MORRIDO DE MORTE NATURAL MAS VEM LEVANTAR A QUESTÃO DE OUTRAS SITUAÇÕES COMO ESTA EM QUE SE ABANDONAM AS BUSCAS , PENSO QUE CEDO DEMAIS, COMO O CASO DO PESQUEIRO “ANA DA QUINTA” EM QUE MESES MAIS TARDE SE VEIO A RECUPERAR DOIS CORPOS, PENSO QUE AINDA COM FATOS DE OLEADO VESTIDOS, O QUE VEM DEITAR POR TERRA A TEORIA DE QUE O BARCO TERIA SIDO ALBARROADO ENQUANTO DORMIAM….

    Responder

Deixe um Comentário