Social
Gui Menezes faz balanço “muito positivo” do setor das pescas em São Jorge

Gui Menezes faz balanço “muito positivo” do setor das pescas em São Jorge

O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia considerou hoje, nas Velas, ser “muito positivo” o facto de existirem pescadores jovens de São Jorge “a quererem tirar cursos de formação” promovidos pela Direção Regional das Pescas, frisando que, “numa ilha em que existia o envelhecimento da classe piscatória, é bom sinal que haja jovens a quererem ir para o mar e a fazer da pesca a sua profissão”.

Gui Menezes sublinhou que a formação profissional na área das pescas é “uma das prioridades do Governo”, salientando que foi realizado no ano passado um curso de pescador em São Jorge, que abrangeu duas dezenas de profissionais, e está prevista a realização de um curso de arrais de pesca durante o primeiro trimestre deste ano.

O Secretário Regional, que falava no final de uma reunião com a Direção da Associação de Pescadores da Ilha de São Jorge, no âmbito da visita estatutária do Executivo, referiu que este encontro serviu para “fazer o balanço dos primeiros dois anos de legislatura” no que respeita ao setor das pescas, destacando a reparação das casas de aprestos das Velas, em outubro do ano passado, que era um compromisso assumido junto dos pescadores jorgenses.

Gui Menezes adiantou que serão distribuídos “alguns cartazes e posters chamando a atenção [dos profissionais da pesca] para a importância de assegurar a qualidade do pescado, que se repercute no seu valor na primeira venda”.

O Secretário Regional afirmou ainda que 2018 foi um “excelente ano de lula”, uma tendência que se mantém em 2019, acrescentando que a Associação de Pescadores da Ilha de São Jorge “tem conseguido exportar bastante quantidade desta espécie e isso tem trazido um rendimento acrescido aos pescadores jorgenses”.

Em 2018 foram capturadas 16,5 toneladas de lulas em São Jorge, que renderam na primeira venda mais de 100 mil euros, sendo que este ano, até à data, já se ultrapassaram oito toneladas de lulas vendidas em lota, que corresponderam a mais de 50 mil euros.

Gui Menezes reuniu também com a Direção da Associação de Apanhadores de Ameijoas da Caldeira de Santo Cristo, tendo um dos temas abordados sido o desenvolvimento de uma experiência de produção de ameijoas em tabuleiros na lagoa daquela fajã.

Esta é uma iniciativa que poderá ser enquadrada no regime de apoio do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP) que o Governo dos Açores lançou no final de maio de 2018 com o objetivo de acelerar a transferência de conhecimento entre cientistas e pescadores, de modo a promover a sustentabilidade dos recursos piscícolas no arquipélago.

Foi também discutida a elaboração de um plano de acompanhamento e monitorização da qualidade da água da lagoa da Caldeira de Santo Cristo.

Fonte: GaCS

Deixe um Comentário