Social

João Trabuco demitiu-se de Presidente da Associação Pão do Mar e da Fábrica de Conservas Santa Catarina

O economista João Trabuco demitiu-se recentemente de Presidente da Direcção da Associação Pão do Mar – Associação dos Industriais de Conservas de Peixe dos Açores e dos órgãos sociais da Fábrica de Conservas Santa Catarina, onde representava o Governo Regional, depois de este ter adquirido o seu capital social. Segundo fontes contactadas pelo CE, na base da demissão está o relatório do Tribunal de Contas sobre o desvio orçamental do custo das obras do porto de Santa Maria, e sobre o qual teceu algumas considerações na sua qualidade de vogal do Conselho de Administração da Lotaçor, que levaram à rotura de colisão com o Sub-Secretário das Pescas, Marcelo Pamplona. Na última reunião da Associação Pão do Mar, que se realizou em Ponta Delgada, estiveram presentes Duarte Parente pela Cofaco, José Luís Amaral Presidente da Lotaçor e João Vieira pela Corretora. Os trabalhos decorreram sob um ambiente bastante tenso e controverso e foi aí que João Trabuco colocou o seu lugar à disposição, abandonando mesmo os seus trabalhos. O CE tentou contactar João Trabuco, que desempenha funções de administrador da SINAGA, em representação do Governo, mas foi-nos informado que está de férias. Técnico competente e muito empenhado nos projectos que se envolve, João Trabuco fez um trabalho notável de recuperação na Fábrica de Conservas de Santa Catarina e está a implementar uma profunda alteração no funcionamento da SINAGA.

Fonte: Correio Económico

14 Comentários neste artigo

  1. blank
    Açormar

    Não a duvida que esta atividade profissional e de grande importançia para os Açores, levante acesos debates e opiniões variadas. Serve este espaço para exprimir algumas opiniões importantes e também alguns alertas para o que vai mal e o que se podia melhorar. Pois bem e neste sentido que deixo aqui a minha opinião: Todos sabemos que não e facil encontrar uma solução para melhorar o sector que seja do agrado de todos, mas julgo ser importante que haja consenso em algumas materias, nomeadamente na diminuição da frota. Pergunto, se em vez de do Governo apoiar a remodulção das embarcações de pesca, porque não apoiar o abate das embarcações.

    Responder
  2. blank
    Matosinhos

    Acompanho regularmente a vossa realidade e não é como diz, pois sei de muitos colegas pescadores que são avessos a contracto porque se o pescado sai na lota com melhor preço já não querem cumprir com o contracto. No meu entender existem varias formas de fazer negocio e esta é uma forma que ao menos dá a possibilidade de manter um preço para um tipo de pescado.

    Responder
    • blank
      MACIEIRA

      Sr. de Matosinhos primeiro de tudo parabéns hoje é o seu dia…VIVA AO SR. DE MATOSINHOS.Segundo na sua terra os compradores desfazem e refazem contratos conforme querem!? é que aqui poucos são os que cumprem tirando os que se têm que fazer à VIDINHA,eheheh…ou seja os que não são amigos aliados do puder é que têm obrigações/deveres, como se diz na sua terra os q têm as costas quentes não cumprem é nada. E o pobre pescador que se safe, acha bem!? a idade da pedra é bem mais amigável para o peixe…e os compradores gostam bem de pescadores que andam pasmados e não vêm é nada…

      Responder
  3. blank
    anda pasmado

    amigo de matosinhos,não é os pescadores que estão sempre a quexar mas sim os compradores que aqui se passam por pescadores pela seguinte rasão.o pescado com contrato de abastecimrnto,o pescado não vai a leilão e estes não o podem comprar só fica com o pescado o unico comprador que fez o contrato com o armador

    Responder
  4. blank
    Matosinhos

    Voces ai nos Açores estão sempre a queixar-se aqui no Continente mais propriamente em matosinhos estamos fartos de celebrar Contractos de abastecimento directo e não vemos mal nisto é mais uma forma de negociar, mas enfim nos Açores tem que ser diferente.
    Com esta mentalidade voces não saiem da Idade da Pedra. “sem ofensa”

    Responder
  5. blank
    MACIEIRA

    Pena que alguns conseguem conciliar tão bem os interesses privados ao públicos…Está mais q visto q o Sr. Desgoverno não sabia o que dizia, pois está tudo na mesma…o governo cria e descria o quer, apoia e empacha conforme suas vontades, agora há a nova treta: os contratos de abastecimento direto…e a lotaçor continua em divida para com todos e para com ninguém.Caso para se dizer: nada se perde tudo se transforma. Que é feito deste bravo mosqueteiro!?

    Responder
    • blank
      José Pedro

      Senhor Macieira, pois é os interesses privados aos do Publico é o que se mais vê por ai, mas este Senhor fez uma coisa que fui dizer não basta não estou cá para este tipo de negociatas de manhã defendo o Governo à tarde defendo os pescadores, ele teve a coragem de fechar a porta dando com ela na cara do Senhor todo Poderoso Pãodelona porque esse senhor Trabuco não precisa dele para nada, agora Senhor Macieira veja se tem coragem para fazer o mesmo assim como muitos que aqui comentam de lhe dar com a porta na cara, talvez possamos a vir a ter um futuro melhor.

      Responder
  6. blank
    Anónimo

    O que e Lotaçor?

    Responder
  7. blank
    Desgoverno

    Cuidado cabeças a rolar o jogo começou

    Responder
  8. blank
    Gaivota

    Com todo o respeito que me merece os Senhores em causa, mas lá diz o velho ditado! zangam-se as Comadres Descobrem-se as Verdades, vamos ver se fica por aqui!.

    Responder
  9. blank
    Luis Pacheco

    Caros Senhores, tendo sido o responsavel pela publicação desta noticia,gostaria que procedessem á correcta identificação da fonte, que deve ser Correio Economico e não Diário Economico.A bem da verdade,apenas.

    Responder
  10. blank
    Armador

    Quem demitiu-se foi a pessoa errada não tinha que ser ele mas sim o comandante o poliçia o governante o presidente o inspector o homen dos 10 ofiçios o Sub secretario das pescas.

    Responder
  11. blank
    Pesca Radical

    O Subsec. não faz outra coisa que não seja semear a confusão neste sector, só ele tem razão os “outros todos” de nada percebem, que tal o dito cujo começar por ouvir mais do que opinar.

    Responder

Deixe um Comentário