Social

Opinião de Jorge Gonçalves perante a questão dos novos transmissores de televisão

Após ter tido conhecimento da notícia sobre a transição do sinal de televisão analógico para digital, Jorge Gonçalves, presidente da APEDA quis mostrar a sua indignação para com os responsáveis da Anacom, afirmando que “este é um assunto bastante preocupante”.
O Administrador da Anacom, Eduardo Cardadeiro diz que nas regiões autónomas o processo está mais avançado do que no continente, no entanto não vai haver 100% de cobertura do sinal para toda a região dos Açores.
Umas das coisas que indignou Jorge Gonçalves é que a população que não vai ter cobertura de sinal, das duas uma, ou fica sem televisão ou vai ter de pagar para a instalação de uma box e uma antena, para ter televisão por satélite. Os custos desta box e a antena rondam os 110 euros. A PT diz que apenas vai cobrar o valor de uma instalação normal, mas o engraçado é que dependendo do que seja necessário instalar o preço dessa “instalação normal” varia entre 40 a 110 euros. Ou seja, se quiserem ter televisão vai ter de pagar! O facto de nem toda a região dos Açores ir ter acesso a televisão deve-se à colocação limitada de emissores de sinal digital, o que vai deixar algumas “zonas escuras” nas ilhas.
Segundo o presidente da APEDA, as entidades responsáveis por esta transição estão a “negligenciar” alguns sectores da região, nomeadamente o sector das pescas. Neste caso, os pescadores ainda vão ficar mais limitados no acesso à televisão, uma vez que o sinal analógico está actualmente disponível até 50/60 milhas, passando a apenas a 20/25 milhas com o sinal digital. “Iremos perder cerca de metade da cobertura do sinal. Até parece que as pessoas que andam no mar, pescadores, etc, não têm os mesmo direitos do que os outros cidadãos portugueses” , afirma Jorge Gonçalves.

O presidente desta associação de armadores lança duas questões pertinentes:
“Não será obrigatório que os novos emissores a instalar e os já instalados tenham a mesma potência que os antigos?”; e ainda “ Será que no contracto estabelecido para a substituição dos transmissores, não terá que ter uma clausula que assegure a cobertura para todas as localidades?”

Vimos assim pedir aos responsáveis, administrador da Anacom e PT, que resolvam esta questão pois não é justo que uns tenham acesso a televisão e outros não, uma vez que todos temos os mesmo direitos.

5 Comentários neste artigo

  1. blank
    Gaivota

    Srº. Pereira, não deixa de ter alguma razão os pescadores vão para o mardeverá ser para pescar e não ver televisão, mas é preciso não esquecer que muitos deles só tem acesso à provisão do tempo pela R.T.P.Açores, não têm outro meio para ver uma noticia, só Radio.

    Responder
  2. blank
    PEREIRA

    ERA A BRINCAR DONA RAQUEL MARTINS, CLARO QUE ESTOU DE ACORDO CONSIGO!

    Responder
  3. blank
    PEREIRA

    VÃO PARA O MAR TRABALHAR OU É PARA VER TELEVISÃO?

    Responder
    • blank

      Como deve calcular, não queremos que o trabalho dos pescadores venha aqui ser colocado em dúvida.
      Quanto ao seu comentário o que tenho a dizer é que apesar do dificil trabalho no mar, também deve haver algum tempo de descanso, certo? Nem que seja às refeições. E quando falamos de “pessoas que andam no mar”, não estamos a falar unica e exclusivamente de pescadores, mas sim qualquer pessoa que navegue nesta região.

      APEDA (Raquel Martins)

      Responder

Deixe um Comentário