Social
Período de defeso da pesca do goraz está a gerar polémica e pescadores da Região querem ser compensados

Período de defeso da pesca do goraz está a gerar polémica e pescadores da Região querem ser compensados

A Associação Terceirense de Armadores reivindicou junto do Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, que o Fundopesca seja “excecionalmente activado e atribua um subsídio equivalente a 45 dias a todos os armadores que se dedicam à pesca do goraz na Ilha Terceira, independentemente e para além da compensação recentemente decidida por causa do mau tempo”.

Em carta dirigida a Vasco Cordeiro, o Presidente a Associação, Floriberto Santos, lembra que “a Portaria nº 74 2015, de 15 de Junho, estabelece os tamanhos mínimos e os períodos de defeso, de algumas espécies piscícolas. O goraz/peixão estão incluídos nesta portaria, com um período de defeso de 15 de Janeiro a 29 de Fevereiro. Esta decisão não foi do consenso das associações do sector, já que algumas só aceitavam esta realidade se houvesse indemnizações compensatórias em relação à paragem”.

A Associação Terceirense de Armadores (ATA) esclarece também que “a pescaria do goraz, juntamente com as espécies que se capturam acessoriamente, em média nos últimos 6 anos – e no período de 15 de Janeiro a 29 de Fevereiro -, representou cerca de 62% do total do pescado bruto vendido nas lotas da Terceira e um valor médio de cerca de 300.000 euros ano, e os pescadores envolvidos nestas pescarias têm actividade exclusiva da pesca e são cerca de 75% dos pescadores da Ilha”.

Segundo a Associação, a “imposição” prevista na Portaria governamental implica “que as embarcações que exercem esta atividade vão ter que paralisar neste período, por não terem outra alternativa de pesca”. Floriano Santos lembra ainda que “o goraz é uma espécie com quota, a qual sofreu nos últimos anos cortes significativos: em 2012 era de 1116 toneladas; e para 2016 será 507 toneladas”, concluindo que “parece-nos que quem está indigitado para defender os interesses dos Açores nesta matéria, tanto no que diz respeito à parte científica como a parte política, não salvaguardou eficazmente os mesmos, e agora são os pescadores açorianos e suas famílias que vão ter que pagar”. Em sua opinião, o sector de frota com mais de 9 metros “ é o que tem o maior peso no valor de pescado vendido em Lota, e se tiver que parar por causa do período de defeso, muitos vão ficar com grandes dificuldades em manter a sua laboração viável, podendo mesmo falir”.

Floriberto Santos acrescenta ainda na mesma missiva que, “atendendo a que para 2016 a quota de goraz vai ter uma nova chave repartição, por ilha e por embarcação, menos se justifica ainda o período de defeso imposto pelo Secretário do Mar Ciência e Tecnologia, uma vez que cada armador irá gerir a sua quota”. A Cooperativa ‘Porto de Abrigo’ já enviou ao Governo dos Açores um documento que tornou público a explicar que, se há necessidade de criar períodos de defeso para várias espécies de peixe de fundo, nomeadamente do goraz e peixão, o executivo açoriano tem de encontrar uma forma de compensar os pescadores das embarcações com pesca dirigida a estas espécies. No entender da cooperativa, os armadores e pescadores açorianos não estão em condições para suportar, financeiramente, estes períodos de defeso.

Foto: Marco Rosa

Fonte: Correio dos Açores

19 Comentários neste artigo

  1. blank

    que defeso vejo os barcos de palangre a pescar nus mesmos baixos grande tanga.

    Responder
    • blank
      Pescador Preocupado

      concordo plenamente consigo e ainda digo mais nunca vi tal disparate os barcos a trazer goraz da mesma maneira como se nada se passa-se isto chama-se pais de merda e isto que nos temos, aposto que em certas partes do mundo se haver uma “paragem biológica” os pescadores irão receber um subsidio de paragem e quem pescar as espécies que não deve, são punidos severamente, aqui esta tudo bem corre tudo as mil maravilhas.

      Responder
  2. blank

    se arrnajaram 600 mil euros para a lavoura comprar ração etc…devido ao mau tempo, não conseguem arranjar dinheiro para o defeso do goraz…estranho não é….

    Responder
  3. blank
    ZÉ PESCADOR

    O GOVERNO PARECE INTERESSADO NA FALÊNCIA DOS BARCOS

    Responder
  4. blank
    OLHO ABERTO

    atenção atenção senhor presidente tá vivo ,vi na tv.

    Responder
  5. blank
    OLHO ABERTO

    SENHOR presidente não acorda ,ibernou este inverno.

    Responder
  6. blank

    POR FAVOR, alguém que tenha o numero de telefone do senhor presidente da Federação das Pescas que lhe ligue para ver se acorda, parece estar a dormir (talvez os despertadores que ele tem não devem ter despertado), pode ser que assim acorde.

    Responder
  7. blank
    Pescador Preocupado

    Lusa 22 Jan
    Governo dos Açores apoia lavoura na compra de alimento

    28/12/2015
    A Secretaria Regional da Agricultura dos Açores publicou a portaria que estabelece a aplicação das medidas a favor das produções animais e vegetais na região ao abrigo da nova legislação do programa POSEI.

    Lusa / AO online / Regional / 03 de Jan de 2016

    Governo dos Açores atribui apoio extraordinário de 3,3 milhões de euros aos produtores de leite

    isso e apenas uma amostra do que o governo faz pela lavoura nos açores, se procurar pelos apoios nas pescas vou cansar as vistas ha procura na net. alias nem precisa procurar como sou pescador sei muito bem do que o governo faz pela gente, prohibe de pescar atribui cotas ridiculas, nao da incentivos para exportar o nosso peixe e valorizar o pescado…. entre outras como disse o companheiro OLHO ABERTO mais vale mesmo e acabar com a pesca e vai tudo para o rendimento minimo que pelo menos e garantido….

    Responder
  8. blank
    OLHO ABERTO

    o governo trata menhor os presos,quem não quer trabalhar de que pescadores,acabem com a pesca vou ser menhor tratado

    Responder
  9. blank
    Anónimo

    Sendo de fora, vejo as coisas assim…a medida de defeso tecnicamente não está errada, mas sem compensar o pescador pare-me execesssivo. imaginem que um patrão no publico ou privado dizia agora meu amigos um mês sem recebr ordenado para orientarmos as contas por aqui!!!! Era greves, era jornais….porque os pescadores não fizeram?

    Responder
  10. blank
    ZÉ PESCADOR

    SR JOSE PEREIRA DEPOIS FICAVA A SABER O QUE EU SEI E EU NUNCA EIDE SABER O QUE O SR SABE

    Responder
    • blank
      José Pereira

      Acho-lhe muita piada assim como a muitos outros que pensão da mesma forma, agora são uns CAMPIÕES a criticar e de peito cheio a falar.
      Mas à poucas semanas atrás todos poderiam ter se manifestado, prenunciado sobre este assunto, mas todos ficaram calados como “ratos”.
      Santa Paciência

      Responder
      • blank
        Pescador Preocupado

        Tal como eu tinha dito anteriormente na altura de resolver as coisas nimgues quis saber agora ja e tarde….

        Responder
  11. blank
    OLHO ABERTO

    OS pescadores em OUTUBRO vai fazer um defeso ao governo.

    Responder
  12. blank
    ZÉ PESCADOR

    QUEM PARTE E REPARTE E NÃO FICA COM A MELHOR PARTE…E ANTIGO AGORA TA NA MODA FICAR COM TUDO

    Responder
    • blank
      José Pereira

      Pode-nos explicar melhor o que qer dizer? onde quer chegar. Seja mais claro, e diga-nos o que sabe.
      José Pereira

      Responder
    • blank
      Da" Cidade Mar

      Pois pois pois é.
      Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte é tolo ou não percebe da arte, ditado muito antigo.
      Aqui aplica-se mais o ditado casa de ferreiro espeto de pau,
      pelo que se sabe por aqui, deu-se a carne enquanto outros vão roer os ossos.

      Responder
  13. blank
    Pescador Preocupado

    Ja se sabia ha muito tempo ou tempo sufeciente para descutir este assunto. depois de feshar a pesca ao Gortaz e que as associaçoes veem com propostas e tentar discutir o assunto? nao me fodam mais do que ja estou fodido. isto esta decidido e nao ha volta a dar, quem conseguir aguentar muito bem os que nao conseguirem AMEN. Acredito plenamente que devem existir apoios da CEE para esta paralizaçao. agora para onde e canalizado este dinheiro so quem esta nas secretarias e que deve saber comcerteza que metade do dinheiro que a CEE envia para os açores deve dar para parar a frota nao 1 mes e meio mas sim 6 meses.

    Responder
    • blank
      Zé pescador

      Concordo consigo,já se sabia desta paragem a algum tempo e as Associações nada fizeram, não corresponde à verdade, possivelmente não esteve atento porque desde novembro do ano passado que se fala duma proposta que existe.
      Pergunto
      Onde estava que não falou, não fumentou a discussão?.
      Esta posição desta associação é curiosa porque ouvi um presidente de uma associação dizer que está associação não concordava com a proposta apresentada pela APEDA e Porto de Abrigo e depois passados 30 dias vêm com esta conversa, independentemente das pessoas poderem mudar de opinião, é verdadeiramente incrível.
      Deveria era perguntar a estes porquê só agora?
      Quando pergunta para onde vai o dinheiro, deveria perguntar aos senhores governantes para onde!.
      Lá diz o ditado que não vale a pena chorar sobre o leite derramado.

      Responder

Deixe um Comentário