Social
Abastecimento de GNL nos Açores será feito a partir do porto da Praia da Vitória

Abastecimento de GNL nos Açores será feito a partir do porto da Praia da Vitória

O Secretário dos Transportes e Obras Públicas, Victor Fraga, anunciou a integração do Porto da Praia da Vitória na rede transeuropeia de transportes como ponto de abastecimento de GNL, e a apresentação de uma candidatura ao “Plano Juncker FEIE” para o desenvolvimento deste porto, “potenciando o seu papel no transporte de carga entre os continentes europeu e norte-americano, no âmbito do projecto europeu das ‘Auto estradas do Mar’”.

Vai promover a optimização da operação de transporte marítimo de mercadorias de e para os Açores, o incremento da competitividade do sector portuário regional, o reforço da proposta de valor dos serviços portuários regionais, o aumento do grau de “especialização, notoriedade” e representatividade do sector.

Reafirmou a promoção, em articulação com os opera- dores, da fusão dos dois terminais marítimos em Lisboa para centralizar toda a carga movimentada entre aquele porto e os Açores, a adequação das rotas de entrada e saída dos principais portos da Região e o assegurar da continuidade do serviço de transporte marítimo regular de mer- cadorias entre as ilhas das Flores e do Corvo, regido por obrigações de serviço público, lançando, para o efeito, o respectivo concurso.

Assegurou que o governo irá dotar o Grupo SATA dos instrumentos “necessários para a sua contínua afirmação nacional e internacional, sem perder o sentido do seu verdadeiro objecto social, que é o de servir sempre e cada vez melhor os Açores e os Açorianos”.

Afirmou que o governo vai “apoiar e fomentar” a investigação científica e o desenvolvimento tecnológico no domínio da construção civil e criar a Plataforma de Indústria Criativa dos Açores, com o objetivo de “envolver toda a comunidade técnica e criativa no desenvolvimento de novos produtos a partir de materiais endógenos da Região”.

 

Sistema de monitorização costeira

O Governo dos Açores vai instalar sistemas de monitorização de zonas costeiras onde a vulnerabilidade de pessoas e bens é elevada, anunciou ontem o secretário do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes.

O governante começou por explicar no plenário da Assembleia Legislativa Regional, durante os debates do Programa do Governo, que o executivo vai continuar “a responder aos desafios impostos pelas alterações climáti- cas e riscos naturais na orla costeira do arquipélago”.

“Para tal, este Governo irá prosseguir as intervenções para a protecção das zonas costeiras, especialmente aquelas que estão identificadas como mais vulneráveis aos riscos de erosão e onde a ocupação do território é mais intensa”, afirmou. Vão ser implementados “sistemas de monitorização de zonas costeiras onde os riscos de erosão são conhecidos e a vulnerabilidade das pessoas e bens é elevada, permitindo a mitigação dos impactos por sistemas de alerta em tempo real”.

“A prevenção e a mitigação dos riscos decorrentes da erosão costeira exigem que sejam implementadas medidas de ordenamento do território no quadro dos Planos de Ordenamento da Orla Costeira”, declarou.

Sobre as pescas, Gui Menezes considerou que “exige uma acção política consistente e determinada”, comprometendo-se com a continuidade da “estratégia para a melhoria do rendimento e sustentabilidade desta atividade na região”.

Anunciou a intenção de “reforçar a coordenação regional da fiscalização do mar dos Açores com a Marinha, a GNR e a Força Aérea, e continuar a apostar na utilização de meios tecnológicos para melhorar a eficácia da atividade inspetiva”.

 

Sobre o Azores International

Research Center, “um centro de investigação internacional que trará uma dimensão científica e de negócios muito importante em áreas como o espaço, a energia ou os oceanos”, o governante sustentou que o Governo Regional está empenhado na sua instalação.

Fonte: Correio dos Açores

Deixe um Comentário