Social
Governo dos Açores considera “redundante” proposta do PSD para setor das Pescas

Governo dos Açores considera “redundante” proposta do PSD para setor das Pescas

O secretário regional do Mar dos Açores considerou hoje “redundante” a proposta social-democrata para garantir a sustentabilidade e os rendimentos da pesca, alegando que o Executivo já o está a fazer com os agentes do setor e a Universidade.

“Foi anunciado pelo senhor presidente do Governo Regional na semana passada a criação de um grupo de trabalho entre o Executivo e a Federação das Pescas para fazer uma reestruturação profunda do setor e adequar o nosso esforço de pesca aos recursos marinhos que efetivamente temos”, afirmou Fausto Brito e Abreu, após uma audição na comissão parlamentar de Economia, em Ponta Delgada, acrescentando que os dados científicos disponíveis do Departamento de Oceanografia e Pescas são “fundamentais”.

O projeto de resolução do PSD, subscrito pelos restantes partidos da oposição, prevê a criação de um programa de monitorização de longo prazo dos ‘stocks’ de pesca de espécies demersais (que vivem no fundo do mar), com o apoio da Universidade dos Açores e também a mobilização de apoios financeiros para compensar os pescadores pelos períodos de defeso de pesca do goraz, que vigora entre 15 de janeiro e 29 de fevereiro.

Quanto aos apoios financeiros durante a paragem biológica de pesca, o governante reiterou a sua discordância, por entender que tal traria muitos impactos económicos e fragilizaria a posição dos Açores quando se iniciar a negociação com a União Europeia relativamente às quotas de pesca para espécies como o goraz.

Em fevereiro duas organizações de pescadores dos Açores (Cooperativa Porto de Abrigo e Associação de Produtores de Espécies Demersais dos Açores) defenderam o pagamento da suspensão temporária da atividade relativa a espécies demersais, uma proposta da qual o Governo Regional discordou.

O goraz é uma das espécies com maior valor comercial nos Açores, sendo que em 2016 os pescadores açorianos só poderão capturar um total de 507 toneladas.

Fausto Brito e Abreu referiu que este ano, durante a paragem biológica de pesca do goraz, foram detetadas irregularidades, sendo que “muitas infrações tiveram a ver com a violação do tamanho mínimo e também com o não preenchimento de diários eletrónicos” de bordo.

O presidente da Federação das Pescas das Açores, que também foi hoje ouvido pelos deputados, afirmou que, concordando com a importância da salvaguarda das espécies, “não deixa de ser preocupante, às vezes, o panorama catastrófico que se tem anunciado sobre as pescas”, algo que disse ser, por vezes, irreal.

“Estamos atentos ao que se está a passar, temos o Departamento de Oceanografia e Pescas que nos acompanha e nos dá dados”, disse Gualberto Rita, referindo que o arquipélago tem condições para criar medidas a nível regional para salvaguardar os recursos marinhos.

Perante a quebra de rendimentos dos pescadores, Gualberto Rita defendeu que é preciso “valorizar mais o pescados dos Açores, arranjar novos mercados, criar condições de atrair novos compradores e melhorar o escoamento do pescado”, sobretudo em algumas ilhas.

Já o responsável pela Cooperativa Porto de Abrigo, Liberto Fernandes, disse aos deputados que o setor necessita de medidas de emergência, porque o rendimento líquido em janeiro e fevereiro deste ano foi de 80 euros por pescador.

Além da reforma no regime de primeira venda do pescado, que facilite a relação direta produção/consumidor, Liberto Fernandes defendeu “uma reforma nacional da segurança social, de modo a integrar os seguros, tal como acontece com a pequena pesca espanhola”, reduzindo custos para os homens do mar.

Este responsável referiu, ainda, haver alternativas de pesca durante o período de defeso do goraz, que poderiam melhorar os rendimentos dos pescadores, apontando o caso do espada preto, da cavala e do chicharro.

Fonte: Açoriano Oriental

12 Comentários neste artigo

  1. blank
    ZÉ PESCADOR

    MUITO OBRIGADO POSSO LHE ACRESCENTAR QUE FAZEM TURNOS PARA O BARCO TRABALHAR 24 HORAS POR DIA E O TROL TRABALHA COM CASSETES EM VEZ DAS TRADICIONAIS GAMELAS E O APARELHO É ISCADO HÁ MAQUINA.

    Responder
  2. blank
    Anónimo

    Sr pereira quem pergunta não ofende. Se pensa que não serve para nada, lamento porque muito do que se diz por ai chega á opinião publica de forma enviesada. A sua resposta demostra alguma frustração, com a sua profissão. Só posso lamentar e pedir desculpas por alguma coisa.Sr Ze´pescador, então os espanhois pescam tipo navio fabrica que largam palangre sucessivamente, com lançes seguidos e com milhares de anzois. Percebo que dessa forma e sempre no mesmo pesqueiro limpa tudo. Obrigado pela sua resposta. Não vi ninguém a defender o palangre , logo deduzo que neste fórum ninguém pesca com essa arte. Obrigado a todos e boas pescarias.

    Responder
  3. blank
    ZÉ PESCADOR

    SR ANÓNIMO SE O SR É CURIOSO DEVERIA SABER QUE O PEIXE QUANTO MAIS TEMPO SE DEBATE MAIS TOXINAS LIBERTA NA SUA PRÓPRIA CARNE.GELO TODOS LEVAM E OS BARCOS DA LINHA DE MÃO FICAM MENOS DIAS NO MAR.E OS ESPANHÓIS PESCAM COM MAQUINAS DE TROL PORTANTO COM MAIS ANZÓIS DO QUE NA SUA PREVISÃO.

    Responder
  4. blank
    OLHO ABERTO

    O SR PEREIRA É QUE SABE MUITA COISA AGUANTA AI

    Responder
  5. blank
    PEREIRA

    OH SENHOR ANÓNIMO, SE O SENHOR É SOMENTE CURIOSO E NÃO PESCA, ENTÃO META O QUE LHE VOU DIZER NA CABEÇA:O TROL FOI A NOSSA DESGRAÇA, E CONTINUA A SER.MAS COMO VOCÊ NÃO PESCA POUCO OU NADA LHE IMPORTARÁ…QUEM SERÁ QUE LHE TRANSMITIU ESSES NºS DE ANZÓIS NA PESCA….ENGRAÇADO.

    Responder
  6. blank
    Anónimo

    Sr Gaivota, sendo curioso, significa que falo com gente que pesca e portanto fico como sendo informação de quem tem experiencia, porque não pesco. quanto ao Sr Zé pescador, percebo então que uma das desvatangens do palangre é captura de pescado sem tamanho, que já vem morto, enquanto na linha de mão é quase sempre possível devolver ao mar esse peixe. Não concor do é muito com a questão da qualidade. Parece-me que a qualidade prende-se como o peixe é estivado, a utilização de gelo. Por que na realidade parece-me que não existem muitos barcos que fiquem mais de 3 ou 4 dia no mar e se a estiva for correta, a frescura está assegurada. Se é verdade que o aparelho que fica no fundo iscado ou com peixe chamará espécies não uteis á pesca, mas será temporário pois quando acaba a comida ao peixe ruim ele vai para outro lado. Não percebi a dos espanhois? Por o que me dá a observar é que se calhar poderá haver demasiados barcos com palangre para zonas de pesca disponíveis.

    Responder
  7. blank
    ZÉ PESCADOR

    SR ANÓNIMO EU SÓ SOU CONTRA O TROL PORQUE ACHO QUE NOS DIAS DE HOJE COM OS CONHECIMENTOS QUE TEMOS E O POUCO RECURSO NÃO SE JUSTIFICA MOTIVOS:O PEIXE CHEGA MORTO AO BARCO PORTANTO NÃO SERVE DE NADA DEVOLVER OS PEQUENOS AO MAR .O PEIXE ESTA MAIS TEMPO A DEBATER PREJUDICANDO A SUA QUALIDADE.PERDE MAIS APARELHO RETINIDA E PEIXE QUE FICA NO FUNDO A CHAMAR PEIXE RUIM PREJUDICANDO A ZONA E O PEIXE NA SUA REPRODUÇÃO E ALIMENTAÇÃO.MESMO POR NÃO SER UMA ARTE DIRIGIDA PODE MAIS FACILMENTE PESCAR ESPESSES PROTEGIDAS QUE CHEGAM MORTAS.E MAIS HÁ LINHA DE MÃO NÃO ACREDITO QUE OS ESPANHOLES CÁ FICASSEM O QUE VALORIZAVA MAIS O NOSSO PESCADO E PROTEGIA OS NOSSOS RECURSOS.SE HOUVER MAIS MOTIVOS QUE EU NÃO TENHA DITO DESAFIO OS CAMARADAS DE TRABALHO A ENUMERAR.

    Responder
  8. blank

    SR em casa que não há pão todos ralham sem razão

    Responder
  9. blank
    Anónimo

    Sr Zé Pescador, não sendo profissional da pesca, apenas curioso, percebendo que o sr é contra o palangre de fundo, e se pudesse esclarecer a minha duvida, considerando o seguinte. Um palangre pesca com 5 ou 6 mil anzois. A linha de mão suponho que pescam com grosseiras de 30 ou 40 anzois por linha ,e fazem 20 ou 30 lançes de linha de mão. Se levar três pescadores estamos a falar entre 1800 a 3600 anzois, sendo a pesca de linha de mão dirigida e a de palangre não. E vejo isto como sendo o esforço de captura efetivo. Então na sua opinião porque é que o palangre é mais lesivo, dado que não é dirigido. Obrigado

    Responder
    • blank
      Gaivota

      Senhor Anónimo, não sendo profissional e apenas curioso, faço fé no que diz, mas relembro que mais parece uma pessoa que conheço e que trabalha ao palangre, mas deixamo-nos disso, minha opinião o escrito é muito elucidativo e está muito bem explicado, diria mais sem espinhas.
      Aguardamos a resposta.
      Obrigado

      Responder
  10. blank
    ZÉ PESCADOR

    SÃO TODOS COBARDES NENHUM FALA EM ACABAR COM O TROL NA MINHA OPINIÃO MEDIDA NECESSÁRIA E URGENTE

    Responder
  11. blank

    sr BRITO cada vez que abre a boca se entrase mosca era bem melhor.

    Responder

Deixe um Comentário