Social
Aníbal Pires alerta para precariedade da relação laboral dos pescadores da pesca artesanal

Aníbal Pires alerta para precariedade da relação laboral dos pescadores da pesca artesanal

Aníbal Pires manifestou-se hoje, na Ribeira Grande, preocupado com o facto de a maioria dos pescadores deste concelho, onde reside uma das maiores comunidades piscatórias do arquipélago, não ter uma “relação laboral” com os armadores.

“A relação de trabalho que estes pescadores têm é medieval”, frisou, recordando que os profissionais da pesca continuam a receber com base na “divisão de quinhões”, solução que, na sua perspetiva, penaliza os pescadores. 

O líder do PCP/Açores alertou ainda para as “dúvidas” que o Sindicato dos Pescadores levantou em matéria de segurança relativamente à solução prevista em projeto para a obra do Porto de Rabo de Peixe. 

Nesse sentido, salientou que a entrada da barra em dias de mau tempo “não garante segurança” para as embarcações de pesca. 

Fonte: RTP Açores

11 Comentários neste artigo

  1. blank
    zé pescador

    CONCORDO COM O PESCADOR PREOCUPADO QUANDO DIZ TOLOS OS QUE ADMITEM ISTO.É CLARO QUE A COMPANHA TEM DE TER ACESSO AS CONTAS E A QUEM SE QUEIXAR QUANDO COM RAZÃO.

    Responder
    • blank
      nao acredito nisto

      os pescadores tem acesso as contas e tem muitos a quem fazer queixa mas fazem? NAO. Por que sera? por muitos recebem o rendimento social e nem vao ao mar a maior parte das vezes. tem mais a perder porque nai tem razao. quem nao sabe que nao fale ou fale com fatos e indique nomes. quem e o primeiro a dar a cara??? quem???

      Responder
  2. blank
    Pescador Preocupado

    No meu caso não tenho razoes de queixa do meu “mestre;armador” porque quando ele parte o dinheiro nos estamos presentes e ele mostra as despesas e os talões da lota,e parte o dinheiro assim que vendemos o peixe mesmo sem a lota fazer o pagamento, mas há casos em que os armadores fazem as contas quando lhes apetece sabendo que a companha precisa de dinheiro para sustentar os seus, para alem disso escondem as contas, nao dizem quando dinheiro fizeram na lota, quanto gastaram em isca,gasoleo etc.. tudo uma treta so digo tolos sao aqueles que admitem estes tipos de comportamento.

    Responder
  3. blank
    Desgoverno

    Atem que em fim alguem mete o dedo na ferida. Força sr Pereira

    Responder
    • blank
      nao acredito nisto

      tu so abres a boca para por veneno… quem nao te conhece que te compre. vai para casa, gabarola. verifica o tei historico de comentarios: nem um que se aproveite. so falas nas costas e poes veneno. que vergonha

      Responder
  4. blank

    O PROBLEMA AQUI COMEÇA NA POLITICA DESTE GOVERNO E CONCRETAMENTE NA FIGURA DO SENHOR PÃO DE LONA QUE NUNCA LIGOU À CLASSE PISCATÓRIA(DIGO PESCADORES) AO INVÉS DÁ TUDO AOS DONOS(DIGO ARMADORES) QUE ARRANJA MANEIRA DE DAR MILHÕES PASSANDO POR CIMA DE TODA A LEGALIDADE DANDO DINHEIRO A TORTO E DIREITO ATRAVÉS DESSA POLITICA DE CONVERSÃO DE FROTA.QUANDO O TRIBUNAL DE CONTAS FISCALIZAR ISSO IRÁ DEPARAR-SE COM MUITA FATURA FANTASMA.NO CASO DOS TRIPULANTES NUNCA FOI FEITO NADA PARA GARANTIR QUE ESTES TIVESSEM OS SEUS DIREITOS GARANTIDOS…..

    Responder
    • blank
      nao acredito nisto

      o sr. Pereira para isso e que existem os sindicatos dos pescadores ou tem medo de falar sobre e contra eles? parece que so o pao de lona, como lhe chama, e que merece os insultos. cada macaco no seu galho. se existisse assim tanta fome, nao haveria tantos pescadores como existem. existem empresas com falta de pessoal mas sao trabalhos e nao empregos e esses ninguem os quer. tanto quanto sei, os armadores declaram por isso devem estra legais ou nao? se nao concordam e sao contra a maneira de trabalhar dos armadores por que razao continuam? as pessoas preferem pensar pela cabeça dos outros do que analisar, verificar o que realmente se passa neste sector. e esse senhor aníbal deveria informar-se e ter conhecimento de causa e nao generalizar apos ouvir dois ou tres casos. e verdade que existe menos peixe do que em 2002, por exemplo, mas se a coisa estivesse assim tao feia, havia tantos pescadores? tapados! certas pessoas estao tapadas e ainda abrem a boca para criticar. devemos criticar mas saber ouvir os fatos e reconhecer quando nao temos razao. estao dispostos a reconhecer?

      Responder
  5. blank
    Desgoverno

    Bem dito senhor Antão nem mais

    Responder
  6. blank

    Sr. Zé Pescador! Pode ser e pode não ser..depende de quem divide.Há uns que dividem bem e outros que dividem muito mal,Isto é, roubam os seus trabalhadores duma forma abominável e impunemente.A divisão do pescado quer seja por soldada ou outra forma qualquer não pode ser ou não deve ser feita ao critério de cada um (como atualmente),mas sim com regras bem definidas constando nos documentos de matrícula de cada embarcação e sob supervisão de uma ENTIDADE, no caso de litígio, como por exemplo: Associassões de Pescadores, Secretaria das Pescas ou outras.

    Responder
    • blank
      diskreto fã

      Se as pessoas são competentes para ter uma embarcação de pesca e considerados profissionais no sector. também têm que ser competentes e profissionais para com os seus trabalhadores e o pagamento dos seus salários.Em todos os sectores ganha-se conforme a venda, não é por uma vidraria não vender vidro que o vidreiro não recebe seu salário, não é por uma padaria não vender pão que o padeiro não ganha seu salário, não é por o agricultor não vender suas alfaces que os lavradores não ganham seu salário…por isso não deveria ser por um armador não pescar que os pescadores não ganham seu salário. Agora à que ser bom gestor, criar um bom negócio e ser honesto, caso não consiga manter seu negocio, que comece do zero ou feche sua actividade. Pois qualquer negocio transporta consiga o seu risco…ou corre bem e ganham bom dinheiro ou corre mal e declaram falência. Sr. Antão não a mais ninguém diz respeito pagar salários ou defini-los senão ao dono do negócio e o trabalhador, ou seja, o patrão e o colaborador!!!Agora que o sector das pescas deveria se unir, tal como fazem diversas comunidades na agricultura, organizarem-se e trabalharem para um bem comum, lá isso é verdade…

      Responder
  7. blank
    zé pescador

    A SOLDADA A MEU VER É A MEDIDA MAIS JUSTA TANTO PARA O ARMADOR COMO PARA O PESCADOR.TEM É QUE SER BEM DIVIDIDA.REPARE SR. ANÍBAL SE O ARMADOR NÃO TIVER LUCRO COMO VAI PAGAR.

    Responder

Deixe um Comentário