Social
José Leonardo desiludido com a SATA

José Leonardo desiludido com a SATA

Pouco tempo passou desde que, a 29 de março, entrou em vigor o novo regime de Obrigações de Serviço Público para as gateways não liberalizadas no arquipélago dos Açores. Nesse pouco tempo, entre avarias e dificuldades de aterragem, que levaram à recondução de aeronaves que se dirigiam ao aeroporto da Horta para outras ilhas, o descontentamento tem estado em crescendo quanto ao serviço operado pela SATA à população faialense e a quem visita a ilha.

José Leonardo Silva, presidente da Câmara Municipal da Horta (CMH), lembrou ontem, 6 de abril, que nas reuniões que o executivo municipal e a Câmara do Comércio e Indústria da Horta (CCIH) teve com a SATA foi-lhe garantido que iriam se cumprir os serviços determinados e que as exigências feitas por estes organismos públicos tinham sido prontamente aceites.

Para o autarca, a situação atual, “pelo que vivemos nestes primeiros dias” fez com que se percebesse desde já que as espectativas saíram goradas pois “a SATA não cumpriu aquilo que estava estipulado”

Perante este cenário José Leonardo afirmou pensar que a companhia aérea açoriana “precisa de alguma reorganização” por forma a conseguir cumprir com os parâmetros descritos no contrato de concessão de serviço público nos voos para o aeroporto da Horta.

“Estamos preocupados com a situação, ainda mais porque quando se melhoram as acessibilidades para todos os Açores, nós neste grupo, no Triângulo, temos mais dificuldades” reforçou o presidente socialista, frisando ainda que “não podemos é ficar para trás na melhoria das acessibilidades”.

Na declaração aos órgãos de comunicação social do Faial foi também avançada a informação de que o município se ia reunir com empresários do setor turístico local e com a CCIH  “para fazermos ver à SATA e ao Governo regional dos Açores quais são as medidas que tem de ser tomadas conforme as nossas espectativas para a época alta”, disse.

“Nós queremos ser parceiros ativos, não só para ser ouvidos, porquê têm obrigação de nos ouvir, mas sermos ouvidos com pretensão das coisas de alterarem e melhorarem” exigiu José Leonardo, para assim se adequar “sua gestão às nossas preocupações”.

Até ao momento não chegou à redação do Tribuna das Ilhas nenhuma nota relativa aos resultados obtidos da reunião anunciada, que decorreu durante o dia de ontem.

Fonte: Tribuna das Ilhas

Deixe um Comentário