Social
Patrão Neves pede apoio ao Secretário de Estado do Mar para defender as pescas açorianas

Patrão Neves pede apoio ao Secretário de Estado do Mar para defender as pescas açorianas

É o Governo português que tem assento no Conselho Europeu e que poderá e deverá ser o porta-voz destas nossas pretensões, diz a Eurodeputada.

A Eurodeputada Social Democrata, Maria do Céu Patrão Neves, reuniu-se ontem com o Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, para lhe “solicitar apoio para as causas dos Açores no âmbito das pescas”.
Segundo a Eurodeputada Patrão Neves, “a longa e profícua reunião com o Secretário de Estado decorreu num clima de enorme sintonia sobre os pontos principais de defesa do sector nos Açores. Eu quis apresentar ao Professor Pinto de Abreu aquelas que são hoje duas das minhas maiores preocupações em relação às pescas nos Açores a saber, a defesa das zonas bio-geograficamente sensíveis e do POSEI Pescas. Relatei-lhe o que tem sido feito a nível do Parlamento Europeu sobre estas matérias e pedi-lhe apoio para que, ao nível do Conselho, também ele defendesse estas nossas causas. É o Governo português que tem assento no Conselho Europeu e que poderá e deverá ser o porta-voz destas nossas pretensões. O Professor Pinto de Abreu manifestou o seu apoio incondicional não só à defesa das zonas bio-geograficamente sensíveis, que é também um luta sua desde há muito, mas também à manutenção do programa POSEI Pescas.”
Questionada sobre o que ainda poderia ser feito em ambos os casos, a Eurodeputada afirmou “tudo. Estamos numa fase crítica de negociações e agora, após o que ficou decidido no Parlamento Europeu, a questão da defesa das zonas marinhas bio-geograficamente sensíveis será negociada no trílogo onde, com a posição positiva do Parlamento Europeu, que votou favoravelmente a minha emenda, e com o apoio de Portugal, que faz parte do Conselho Europeu, poderemos ter alguma esperança na aprovação final desta medida. No caso do Posei Pescas, a situação é um pouco mais complicada, pois a Comissão decidiu unilateralmente descontinuar este programa, criando um precedente muito complicado com o fim da discriminação positiva para as RUP’s.”
De facto, a integração do Posei Pescas no Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e da Pesca é apenas mais um sinal de que a Comissão Europeia, começa a por em causa os programas POSEI, pelo que se torna necessário tentar evitar este processo. Para Patrão Neves “foi neste âmbito que coloquei uma pergunta escrita prioritária à Comissária, para que se possa inverter o processo e perceber as reais intenções com tal acção”.
A finalizar a sua intervenção, a Eurodeputada Patrão Neves defendeu que “todos os políticos regionais e nacionais e o sector, devem rapidamente reunir-se de modo a começar a encarar com seriedade estes avisos que a Europa nos tem dado e agir de uma forma preventiva, de modo a evitar males maiores”.

Fonte: Correio dos Açores

4 Comentários neste artigo

  1. blank

    É uma área em que muito se podem potenciar novas actividades relacionadas com transportes e logística. Incidentalmente o anterior governo conseguiu dar uma machadada de leão nas veleidades do uso do porto de Sines para várias actividades mais além daquelas que desempenha hoje (e lucrativas!) bem como na diminuição fortissima nos custos da sua utilização e expansão do hinterland. No que toca aos portos de Leixões e Aveiro pequenas alterações nas suas acessibilidades poderiam fazer muito pela sua valia embora aqui, claro, o grande, grande salto apenas possa ser dado com a futura linha ferroviária Aveiro – Vilar Formoso.Há muito, muito por fazer (até mesmo pequenas coisas) na potenciação da frente Atlântica da Républica. Algo que me lembrei agora quando estava quase a terminar o comentário, há uns anos (da última vez que olhei para isso) o quadro legal que regulava a carga e descarga de navios nos portos Portugueses era obsoleto e vinha ainda dos tempos em que se movimentavam as cargas a pouco mais que pau e corda. Não sei se isso foi modernizado entretanto e, em caso negativo, seria uma alteração bem vinda que permitiria a redução de custos.O aproveitamento da fachada Atlântica é algo onde tanto e tanto está por fazer e o potencial é tão vasto que com muito pouco pode fazer-se facilmente a diferença.

    Responder
  2. blank

    Há… Apagando o que não interessa… espero que o que não interessa seja os “spams” Porque se apaga os nossos comentários isso assim è outra coisa…

    Responder
  3. blank

    MAS A APEDA ESTÁ A SER ATACDA POR VIRUS OU QUÊ???..PARA ALÉM DO FACTO DE NINGUEM COMENTAR ALGO DE JEITO JÁ HÁ IMENSO TEMPO ESTE FIM DE SEMANA FINALMENTE VIERAM OS COMENTÁRIOS ………SÓ QUE ….DEVEM SER DE ALGUNS ILUMINADOS POR VIROSES…….

    Responder
    • blank

      Caro sr. Pereira, realmente hoje parece que tivemos um ataque de “spam”, estamos a tentar resolver o problema. Entretanto, vamos apagando o que não interessa.

      Responder

Deixe um Comentário