Social
A “Rota do Peixe Português”

A “Rota do Peixe Português”

346700

“Rota do Peixe Português” pretende dar a conhecer qualidade do pescado nacional além-fronteiras.

Pensado há cerca de nove meses, o projeto “Portugal Figura de Proa”, promovido pela APTECE, viu, recentemente, a sua candidatura aprovada pelo COMPETE através das linhas de financiamento do Portugal 2020. Ao Ambitur.pt, José Borralho, presidente da associação, explicou que este é um projeto que nasce da vontade de “elevar o posicionamento da gastronomia portuguesa”, afirmando “o peixe e marisco como produtos de excelência e qualidade”. E tem como mote as palavras proferidas, em 2011, por Ferran Adriá que afirmou que “o melhor peixe do mundo era o português” , tendo esta realidade sido reconhecida mais tarde por muitos outros chefs.

Segundo José Borralho, o “Portugal Figura de Proa pretende “passar a mensagem que o nosso peixe é de tal forma bom que conseguimos criar uma experiência inesquecível através de um sabor inigualável, apenas com peixe, sal e brasas”, o projeto tem como eixo central a criação da “Rota do Peixe Português” – “ objetivo bastante ambicioso e que deve contar com a colaboração de todos”.

A “Rota do Peixe Português” consiste, de acordo com José Borralho, “numa rota de turismo gastronómico de pescado, que pretende dar a conhecer não só Portugal como um destino de excelência como promover o pescado português e contribuir para a sua afirmação como produto de qualidade”. “Estamos já a definir um conjunto de rotas que realçam os melhores peixes em cada região do pais, as formas de confecção e onde usufruir deles, contemplando um conjunto de atividades de que qualquer pessoa pode beneficiar e que realçam a ligação do destino ao mar, ao rio e à oferta complementar de qualidade”, avança.

Pela sua qualidade e notoriedade, existem já alguns produtos e locais identificados que não poderão faltar nesta Rota e um bom exemplo disso é a visita a Ílhavo, capital do bacalhau. “Aqui para além do bacalhau de mil e uma maneiras, temos a particularidade do consumo dos samos, das línguas, das caras e outras partes do rei da cozinha portuguesa, mas também o peixe de mar, como a galeota (março), e mariscos em grande variedade. O que propomos é que para além do peixe, os visitantes conheçam outros sabores: doces, entre eles, o leite-creme ou o arroz doce à moda de Ílhavo ou a tripa, que se encontra em quiosques de rua”, explica José Borralho, dando conta que esta rota terá ainda como complemento a sugestão de restaurantes, de festividades e visitas obrigatórias como são a visita ao “Museu Marítimo de Ílhavo e o seu singular aquário de bacalhaus, assim como o Navio Museu Santo André (no jardim oudinot) e o arrastão que pertenceu à mítica White Fleet, o Navio Santa Maria Manuela; Cais dos Bacalhoeiros, na Gafanha da Nazaré; Canais da Ria, onde é possível praticar diferentes atividades; Praias da Barra e da Costa Nova; Fábrica da Vista Alegre”, entre outros.

O responsável acrescenta ainda que “este tipo de estrutura da Rota deve ser complementada por sinalética adequada e para a qual iremos sensibilizar as entidades competentes, querendo também aqui ser inovadores e recorrendo ao que a tecnologia hoje permite”.

No âmbito da promoção deste projeto está previsto o convite “a bloggers e jornalistas internacionais para frequentarem a Rota e o desenvolvimento de uma campanha publicitária online direcionada para o mercado internacional.” Teremos uma versão da rota em três sites – Português, Inglês e Espanhol – com branding adaptado. A nossa maior aposta será em SEO alcançando assim o público internacional e neste âmbito estamos com ações de promoção internacional, aproveitando a presença da industria, em eventos na Alemanha, Áustria, Espanha, Reino Unido, Emirados Árabes, Japão, França, Brasil e Estados Unidos. Além de ações regulares de degustação em feiras profissionais, apostámos em Masterclasses nestes eventos – realizámos recentemente em Madrid no Salón de Gourmets com o Chef Igor Martinho – e por vezes com organização de jantares de gastronomia portuguesa, como foi o caso de há algumas semanas em Viena com o Chef Joachim Koerper”.

A APTECE realizará ainda um estudo sobre a sustentabilidade do peixe e sobre a importância que a gastronomia representa para quem nos visita.

Fonte: Ambitur

Deixe um Comentário