Social
Afinal, camarão é ou não saudável?

Afinal, camarão é ou não saudável?

Desde as entradas até pratos mais elaborados, o camarão é presença assídua nas mesas festivas. Mas, afinal, faz mal ou bem à saúde? Seguem-se os prós e alguns contras

 

Baixo em calorias

Um camarão médio contém cerca de sete calorias, o que em termos práticos significa que uma dúzia tem menos de 85 calorias (tem por exemplo 15 calorias menos do que um peito de frango). Já um camarão de tamanho ‘jumbo’ tem cerca de 14 calorias e uma colher de chá de molho tem cinco calorias, ou seja, três camarões ‘jumbo’, cada um com uma colher de molho como aperitivo, contém cerca de 60 calorias (menos vinte calorias do que duas mini empadas ou duas mini quiches).

 

Rico em proteínas

O camarão, para além da quantidade de água que tem, é essencialmente composto por proteína: 85 gramas de camarão contêm cerca de 20 gramas de proteína, apenas três gramas menos que a mesmo quantidade de peito de frango. No caso do camarão ‘jumbo’, este contém três gramas de proteína e pouca gordura e hidratos de carbono.

 

Providencia nutrientes essenciais

Além da proteína, o camarão providencia uma quantidade impressionante de nutrientes. 113 gramas de camarão cozido contêm mais de 100% do valor diário recomendado de selénio, mais de 75% de vitaminas B12, mais de 50% de fósforo e mais de 30% de colina Colina (um nutriente essencial que faz parte do complexo B de vitaminas), cobre e iodo. O selénio desempenha um papel importante na importante na função da tiróide, ajuda a combater partículas danificadas denominadas de radicais livres, que afetam as membranas das células e do ADN, levando a um envelhecimento precoce e a doenças diversas. Outro antioxidante presente no camarão é a astaxantina, um carotenóide que ao contrário dos restantes não se converte em vitamina A (substância que pode ser tóxica para o corpo humano). Este antioxidante providencia a cor primária do camarão e tem dado mostras de ajudar a reduzir inflamações.

 

Alergénio muito comum

Como um membro da família do marisco, o camarão está no topo dos alergénios, ao lado do leite, ovos, peixe, frutos secos, amendoins, trigo e soja. A exposição ao marisco pode causar reações severas, incluindo risco de morte por choque anafilático. Outras reações podem incluir congestionamento nasal, comichão, dores abdominais e náuseas. Este tipo de alergias pode surgiu em qualquer idade. Convém consultar um especialista caso surjam efeitos adversos a qualquer elemento da cadeia alimentar.

 

Rico em colesterol, mas…

Algumas associações especialistas nas doenças causadas pelo colesterol indicam que o valor diário do mesmo não deve ultrapassar as 300mg, o que significa que 85 gramas de camarão representam metade desse valor. No entanto convém (re)lembrar que existem dois tipos de colesterol. O primeiro tipo é o colesterol encontrado nos alimentos. Apenas alimento proveniente de animais contém colesterol, dado que o corpo dos mesmos o produz. O segundo tipo é o colesterol que se encontra no sangue e que é produzido pelo fígado.

Se a nossa alimentação for de base animal, o colesterol absorvido pode também contribuir para o colesterol que se encontra naturalmente no sangue. Porém, o impacto que este tem no colesterol produzido pelo fígado continua a ser um assunto em debate. Estudos demonstram que as gorduras saturadas e as gorduras criadas artificialmente têm um maior impacto no colesterol sanguíneo. Logo, o camarão tem índices muito reduzidos de gordura saturada e não contém gorduras artificiais (a menos que durante o processo de confeção lhe sejam adicionados elementos transgénicos).

 

Comprar gato por lebre

Um estudo recente refere que 30% dos 143 produtos testados (em mais de 100 empresas que vendem produtos que dizem conter camarão ou à base de) não são significativos em termos do uso deste ingrediente. Por exemplo, camarão de aquacultura vendido como camarão selvagem. Isto significa que o consumidor pode estar a ingerir camarão produzido num espaço onde são usados antibióticos, fungicidas e outros químicos. Infelizmente, enquanto consumidor, não há muito a fazer.

 

Antibióticos

Numa investigação desenvolvida pela Universidade do Arizona, foram analisadas 27 amostras de marisco, incluindo camarão, provenientes de 11 países. Os investigadores detetaram a presença de cinco antibióticos diferentes, incluindo no camarão selvagem. O uso de antibióticos na produção alimentar tem sido apontado como revelante para o aumento de bactérias resistentes a antibióticos, um problema de saúde pública.

Fonte: Visão

Deixe um Comentário