Social
Federação das Pescas dos Açores concorda com interdição da pesca do goraz

Federação das Pescas dos Açores concorda com interdição da pesca do goraz

O presidente da Federação das Pescas dos Açores concordou hoje com a decisão do Governo Regional de interditar a pesca do goraz na segunda quinzena de julho, mas a cooperativa Porto de Abrigo critica a opção.

“É claro que estamos de acordo com a solução que se encontrou, que julgamos ser a mais adequada dado o número, a percentagem [de goraz] que já está capturada até essa altura”, afirmou Gualberto Rita em declarações à Agência Lusa, acrescentando que “a maioria das associações está de acordo” quanto a esta opção.

O Governo dos Açores anunciou hoje a interdição para que a espécie seja capturada quando o seu valor no mercado for mais alto.

Os pescadores do arquipélago já capturaram este ano o correspondente a 68% do total dessa quota (cerca de 460 toneladas).

O presidente da Federação das Pescas dos Açores reconheceu que a medida terá impacto negativo nos rendimentos dos pescadores, mas considerou ser necessário atuar agora para que haja ainda capacidade de pesca do goraz no final do ano.

“O que gostaríamos era que não houvesse qualquer paragem, mas sabemos que isso é impossível dado o volume de captura até ao momento. Mais penalizador seria se nós não tivéssemos quota para pescar no final do ano, que é a altura em que o preço médio do goraz é mais alto”, afirmou Gualberto Rita, desvalorizando “vozes dissonantes”.

Em comunicado, a cooperativa Porto de Abrigo considerou que a medida vai afetar a generalidade dos pescadores, particularmente os das ilhas de São Miguel e Terceira, onde há maior número de tripulantes, trabalhadores de terra e dependentes das pescarias.

“Esta não é a opção mais correta. É de impossível aplicação às embarcações palangreiras e que não têm nenhuma possibilidade de usar artes dirigidas especificamente a outras espécies”, adianta o comunicado assinado pelo presidente, Liberato Fernandes, antigo presidente da Federação das Pescas dos Açores.

Liberto Fernandes acusou os sucessivos governos açorianos de “inércia” e responsabilidade pela “situação grave” de sobre-exploração do goraz e outras espécies demersais costeiras.

Segundo Liberato Fernandes, em 1994 e 1999 foram apresentadas propostas de aplicação de um plano de recuperação das espécies feitas pelo Departamento de Oceanografia e Pescas.

O goraz representa 7% do total de capturas nos Açores e 20% do seu valor.

O valor comercial do goraz é, por norma, mais baixo entre julho e outubro e entre meados de janeiro e fevereiro.

A União Europeia cortou este ano a quota do goraz para os Açores em 25% e decidiu novo corte de 25% para 2016.

Fonte: Açores 9

6 Comentários neste artigo

  1. blank

    embora a pesca esteja fechada ha barcos a vender fora da lota o que ja era de esperar, sobre este assunto o que tem o nosso secretario a dizer? que os inspectores estao de ferias? loool este pais vai de mal a pior

    Responder
  2. blank
    PEREIRA

    FOI ERRO DO FUNCIONÁRIO DA LOTA DE PONTA DELGADA…ERAM BESUGOS… E NÃO GORAZ E PEIXÃO….LÁ JÁ NÃO EXISTE DISSO…O QUE VEM É DOS BANCOS A OCIDENTE,,,HEHHEHEE

    Responder
  3. blank
    Paulino Rosa

    Pelo vejo, interdição da pesca goraz não para todos, hoje dia 16-7-15 foi descarregado na lota de Ponta Delgada goraz e peixão.

    Responder
  4. blank
    PEREIRA

    O SR.SECRETÁRIO DEVERIA TER ESPERADO QUE ESTE “BOM TEMPO” DE JULHO TINHA-SE ENCARREGUE DE FECHAR A PESCARIA DO GORAZ ..E ASSIM EVITAVA ESTE “BURBURIM” TODO..AZAR…..HEHHEHEE

    Responder
  5. blank
    pescador

    fracaço do governo PS ,longo dos anos nas pescas

    Responder
  6. blank
    Paulino Rosa

    Pois, mas esta solução encontrada vai prejudicar as embarcações de menor porte, que aproveitam o verão para ir mais longe,quando chegar Inverno ficam paradas com mau tempo, vemos palangreiros como “Bobicha “; “Lajes do Pico”; “Iris do Mar” e outros a pescar.Boa medida parabéns

    Responder

Deixe um Comentário