Social
Açores // Exportações para o estrangeiro caem 19% com quebras no peixe fresco e conservas

Açores // Exportações para o estrangeiro caem 19% com quebras no peixe fresco e conservas

O valor das exportações dos Açores para o Estrangeiro caiu, entre 2015 e 2016, de 104 milhões para 84 milhões de euros, o que representa uma quebra de 19%, sendo a principal causa da diminuição as exportações de peixe fresco e conservas.

A evolução do comércio internacional (ver gráfico) mostra que, enquanto, no passado recente, de 2006 a 2011, se registou uma subida significativa das exportações da Região, a partir dessa altura, os valores apresentam-se irregulares, sendo que nos últimos quatro anos se registou uma tendência decrescente que atingiu nesse espaço de tempo 32%.

Só para se ter uma ideia, de 2015 para 2016, a exportação de peixe fresco para países extracomunitários caiu de 2,5 milhões de euros para 598 mil euros e os produtos referentes à indústria alimentar, nos quais se integram as conservas, desceram mais de 20 milhões de euros.

O comércio internacional dos Açores, em termos globais, não tem grande significado no conjunto da economia, representando apenas 2 a 3% do PIB da Região, mas equilibra o valor das importações que é sempre superior, sendo por vezes o dobro.

É natural que algumas exportações para o estrangeiro se faça através de empresas nacionais, mas, mais uma vez, como noutros sectores, são mais valias que se perdem.

Na apreciação das exportações há, todavia, a registar uma subida de vendas de produtos agrícolas, verificando-se um crescimento de 645 mil euros para 1,8 milhões de euros, um dado positivo mas que não é suficiente compensar a diminuição nas pescas e na indústria.

No sector da agricultura incluem-se as exportações de próteas para a Holanda, um sector que se tem revelado promissor, sendo que só da Terceira as vendas já ultrapassam os 600 mil euros por ano.

Nos lacticínios, são pouco significativos os valores do comércio de produtos lácteos para o estrangeiro.

No conjunto, ou seja incluindo as vendas para o continente, para a Madeira e na própria Região, em 2016 o valor atingiu 279 milhões de euros, uma receita bastante significativa no rendimento das ilhas, apesar da quebra de 2% registada relativamente ao ano anterior.

Estas vendas dizem respeito a leite, queijo, leite em pó, manteiga, natas e soro.

Foto: António Silveira

Fonte: Rafael Cota / Diário dos Açores

Deixe um Comentário